Da química do petróleo ao café: conheça o laboratório da Ufes que possibilita a valorização de diversas matérias-primas

Com financiamento da Fundação Espírito-santense de Tecnologia (Fest) e apoio de outras instituições, os estudos vão desde a química do petróleo até a do café

 

Estudos em química do petróleo, química forense (análises de amostras colhidas por investigadores) e até mesmo do café, são algumas das pesquisas realizadas pelo Laboratório Multiusuário de Petroleômica Forense (LabPetro) da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes). O LabPetro é um centro de pesquisa da instituição, sendo dividido em Núcleo de Pesquisas em Química do Petróleo (NCQP) e Laboratório de Serviços (LabServ).

“Os serviços realizados são voltados à parte analítica que demandem ensaios químicos nos mais variados meios, da água até sistemas mais complexos, como o petróleo”, explicou o coordenador do NCQP e professor, Eustáquio Vinicius Ribeiro de Castro.

Além dos estudos citados, o centro também desenvolve análises de polímeros (macromoléculas), corrosão, estudos ambientais, dentre muitos outros projetos de pesquisas que contam com a gestão e apoio da Fest e, posteriormente, são entregues à sociedade e comunidade científica.

Como é o caso de uma das áreas de estudos do LabPetro: a química do café, onde pesquisadores e alunos buscam, a partir de técnicas analíticas, identificar a composição química dos cafés e relacioná-las à características sensoriais.

Primeiro, o café é colhido, higienizado, fermentado e, em seguida, levado para um ambiente de secagem, até chegar a umidade ideal. Após esse processo, ele vai para a torração, onde, em seguida, pode ser consumido. E é justamente nessa parte que é enviado para o Q-Grader, um profissional com os mesmos objetivos de um sommelier (no setor do vinho), onde irá fornecer um laudo completo.

“Em seguida, essa descrição é encaminhada para o laboratório de química, onde nós, estudantes, juntamente com outros pesquisadores, por meio de técnicas analíticas, identificamos a composição química dos cafés e fazemos uma relação com as características sensoriais fornecidas pelo Q-Grader”, contou a aluna do programa de pós-graduação em Química da Ufes e pesquisadora do LabPetro, Daniele Debona.

A aluna se interessou pelo LabPetro justamente por conter pesquisas no setor cafeeiro e, assim, poder ajudar sua família, que é produtora rural de café, e muitos outros que possuem dificuldades de desenvolvimento e valorização do produto.

“Essas pesquisas são extremamente importantes para medir o valor do café, que seriam até então desconhecidos. As análises são encaminhadas para a comunidade científica, assim como para a sociedade, no caso, produtores rurais”, acrescentou a estudante.

Mais sobre o LabPetro

Desde 2011, atua em diversos projetos de pesquisa dentro da universidade – e em parceria com outras instituições federais – e realiza análises de amostras diversas para todos os professores e alunos vinculados ao Programa de pós-graduação em Química da Ufes (PPGQUI-Ufes), como também a membros de outros programas de pós-graduação da universidade (Biotecnologia e Ciências Farmacêuticas, por exemplo).

Portanto, trata-se de um laboratório responsável pelo desenvolvimento e/ou colaboração em inúmeras dissertações/teses defendidas e, consequentemente, por grande parte da publicação científica gerada na universidade.

No total, atualmente, estão sendo desenvolvidos de 15 a 20 projetos, divididos entre alunos de graduação e pós-graduação dos cursos de Química, Física, Engenharia, Farmácia, Biologia, Geologia, incluindo até alunos de outras áreas afins, como das áreas de gestão.

A maioria dos projetos de pesquisa é desenvolvida em parcerias com entidades públicas e privadas, através de acordos de cooperação a partir de demandas existentes trazidas por entes externos, bem como demandas internas da Ufes.

Parceiros como Petrobras, Fundação Renova, Fapes, Capes, CNPq, Finep, Embrapa, governo do Estado e ANP fazem parte do desenvolvimento de diversas pesquisas, sendo que algumas foram de grande repercussão na sociedade, como os estudos para detecção de disparo de arma de fogo, desenvolvido no Laboratório de Petroleômica e Forense/LabPetro, fruto de uma parceria com a Polícia Civil do ES.

O LabPetro visa atender a demanda de pesquisas relacionadas às análises químicas de óleos brutos; estudos de perfis físico-químicos, testes e desenvolvimento de produtos químicos, produção de resíduos e águas de formação; promover ensino, pesquisa, extensão, divulgação científica e inovação tecnológica. Possui 22 laboratórios, salas para pesquisadores, sala de informática e de multimídia, biblioteca, auditório, refeitório, vestiário e secretaria.

Fonte: www.agoraes.com.br